Sexta, 20 de Setembro de 2019

MEIO AMBIENTE

Expedição no Jalapão identifica cerca de 25 patos-mergulhões, espécie em extinção no mundo

Trabalho de pesquisadores teve como objetivo realizar o mapeamento reprodutivo da espécie

Kleber Fernandes
post
Fêmea do pato-mergulhão no Jalapão e seus filhotes.

09 setembro, 2019 às 15:24

Uma expedição científica realizada pelo Instituto Natureza do Tocantins (Naturatins), Universidade Estadual do Maranhão (UEMA) e a Fundação Pró-Natureza (Funatura) entre os dias 27 de agosto e 02 de setembro, na região do Jalapão, identificou aproximadamente 25 indivíduos adultos da espécie pato-mergulhão (Mergus octosetaceus), considerada uma das espécies mais ameaçadas no mundo. 

A expedição percorreu cerca de 150 km de extensão do Rio Novo e também um de seus afluentes, o Rio Verde, nas áreas da Estação Ecológica da Serra Geral do Tocantins, Área de Proteção Ambiental do Jalapão (APA do Jalapão) e Parque Estadual do Jalapão (PEC). O objetivo do trabalho foi realizar o mapeamento reprodutivo da espécie. Dentre os animais identificados, foram constatados casais em fase reprodutiva ou cuidando de filhotes, que são adultos em fase de muda de penas e ninhos ativos.

De acordo com o biólogo do Naturatins, Marcelo Barbosa, após a constatação de que o pato-mergulhão estava em extinção, foi empenhada uma força-tarefa no Jalapão, a partir de 2015, para garantir a reprodução em cativeiro desta espécie. "Com o intuito de realizar futura reintrodução da espécie na natureza, uma exemplar fêmea da espécie oriunda do Jalapão nidificou com o macho oriundo de Minas Gerais. Hoje a operação obteve sucesso, pois estes indivíduos geraram alguns filhotes em cativeiro. Todos estão bem, com saúde e em ótimo estágio de desenvolvimento", pontuou. 

O pesquisador da Fundação Pró-Natureza (Funatura), Paulo Antas, destacou que entre 12 a 15% da população mundial do pato-mergulhão está no Rio Novo e que a inclusão da Estação Ecológica da Serra Geral nos estudos garante que a unidade passe a ter o registro de reprodução e aumente o potencial de preservação da espécie. Antas ressaltou ainda que houve uma expansão do período reprodutivo do pato-mergulhão no Rio Novo. "Até então nós tínhamos dados até meados de julho e agora entre o final de agosto e início de setembro registramos ninhos com ovos, ainda sendo incubados e filhotes nascendo. São resultados muito significativos, porque nos revela a expansão do período reprodutivo, não sendo tão restrito ao período que se imaginava", afirmou. 

O técnico do Instituto de Ruraltins, Valtécio Carvalho, enfatizou que o jalapão é uma área em que a exploração econômica e ocupação territorial devem ocorrer sempre observando a conservação ambiental. Para Carvalho, a presença do pato-mergulhão na região é um indicativo de que este é um ambiente equilibrado e há qualidade na água local.