Quarta, 01 de Abril de 2020

Etnoturismo

Caciques Javaé buscam apoio para desenvolver o etnoturismo na Ilha do Bananal

Capacitações e melhorias nas estradas foram algumas das demandas apresentadas

Foto: Flavio Cavalera/ Governo do Tocantins
post


30 janeiro, 2020 às 11:01

Em busca de apoio para o desenvolvimento do etnoturismo, o presidente do Conselho das Organizações Indígenas do Povo Javaé da Ilha do Bananal (Conjava), Vantuíres Oliveira Martins Javaé, além de caciques e representantes de oito aldeias estiveram nesta quarta, 29, com o secretário de Indústria, Comércio e Serviços (Sics) e responsável pela Agência do Desenvolvimento do Turismo, Cultura e Economia Criativa (Adetuc), Tom Lyra.

Durante o encontro, foram apresentadas algumas demandas, como a melhoria das estradas que fazem ligação entre as 19 aldeias da etnia, visando facilitar acesso de turistas, bem como cursos de formação para guias de turismo, incluindo as especialidades pesca esportiva e observação de aves. “Queremos valorizar o que é nosso, temos mais de 200 lagos com grande potencial para a pesca esportiva, festas tradicionais, artesanato, e precisamos da participação do Governo”, pontuou Vantuíres, ao convidar o gestor a participar de um Hetohoky (festa tradicional que marca a passagem de meninos para a fase adulta), no mês de julho.

 Tom Lyra falou do projeto de desenvolvimento do etnoturismo nas comunidades indígenas e quilombolas, em fase de formatação, e reiterou a disposição do governador Mauro Carlesse em reduzir a distância entre o Estado e os povos indígenas. “Não conheço no mundo nenhum lugar tão rico quanto a Ilha do Bananal, há muitas oportunidades para garantir a sustentabilidade de suas aldeias, como a pesca esportiva e as viagens de experiência”, ressaltou o gestor.

 O plano de trabalho desenvolvido pelo setor de Gestão de Etnias Indígenas e Quilombolas da Superintendência de Turismo, que deverá ser apresentado aos Javaé durante reunião na cidade de Formoso do Araguaia, em fevereiro, bem como às demais etnias, envolve várias das demandas apresentadas nesta quarta, e ainda capacitação para pilotagem de barcos e retomada de atividades culturais, entre elas a construção de canoas tradicionais.

 Além do âmbito da Adetuc, os indígenas também apresentaram outras demandas, especialmente na área da educação, assunto sobre o qual Cleiton Javaé, da Aldeia Txuiri, elencou algumas dificuldades. Já Vantuir falou da necessidade de investimentos em projetos de incentivo a cadeia produtiva. Tom Lyra se prontificou a repassar as demandas aos gestores da Educação e Ruraltins, bem como intermediar audiência dos Javaé com o governador Mauro Carlesse.

 

*Com informações do Governo do estado