Quarta, 01 de Dezembro de 2021

Música

Tambor ancestral representa o Tocantins na Praça dos Mestres

Instrumento é resultado de duas décadas de pesquisa do artesão e percussionista Márcio Bello

Foto: Reprodução
post


29 outubro, 2021 às 22:40

Além de reunir estandes com os trabalhos de artesãos de todo o País, o 14º Salão do Artesanato – Raízes Brasileiras, que acontece no Pátio Brasil, em Brasília, destaca a Praça dos Mestres. Nesta edição, o homenageado do Tocantins é o artesão e percussionista Márcio Bello, com seu tambor de cerâmica. 

Márcio conta que este trabalho de pesquisa teve início há 22 anos. Instrumento tradicional na suça de Natividade, o tambor de barro e pele animal originário do Sudão foi introduzido na região pelos escravizados e estava praticamente esquecido, por falta de transmissão. Graças ao apoio de mestres locais, como Seu Irineu e Tia Benvinda, foi possível retomar a técnica de confecção. "Como estava cega, Tia Benvinda usava o tato para para orientar o trabalho", conta ele, lembrando que completou suas pesquisas na Bahia para chegar ao produto final. 

Em 2007, foi realizada uma oficina para estimular retomada da produção do instrumento, que muda de nome conforme o tamanho e afinação: caxambu, maior, que faz a base da suça, e o fuxico, um pouco menor.

Além do tambor de barro, Bello produz o roncador,  também chamado tambor de rabo ou onça,  instrumento inicialmente criado para a caça, o udu, trazido da Nigéria, a caixa de folia, de origem europeia, os tambores xamânicos, inspirados no povo Siux, dos Estados Unidos.

"Sempre considerei esse trabalho como uma missão que me foi dada", afirma, ressaltando a importância do Programa do Artesanato Brasileiro na retomada das atividades dos artistas tradicionais. "Nestes dois anos sem feiras tivemos muitas dificuldades, mas estamos voltando com muita força", afirma Márcio Bello, que participou do processo de seleção realizado pela Agência do Desenvolvimento do Turismo, Cultura e Economia Criativa (Adetuc). "O Tocantins reúne muitos mestres de saberes tradicionais e a preservação e difusão de todo esse conhecimento é uma das missões do Governo do Estado", ressalta o presidente da Adetuc, Jairo Mariano.